blackmonday-strikes-oct2016_poland

Seminário UMa-CIERL

The Map of a Woman

The Topography of Selfhood in the Work of Mary Rose Callaghan, Emma Donoghue, Mary Dorcey, Deirdre Madden, and Mary Morrissy

Zuzanna Sanches

ULICES/CEAUL – Universidade de Lisboa

28 de outubro de 2016

Anfiteatro 4 – Campus Universitário da Penteada, UMa

Programa:

11:00-12:00 Conferência aberta ao público

14:00-17: 00 Workshop (exige inscrição mediante envio de e-mail para cierl@mail.uma.pt)

Sinopse:

As grandes revoluções acontecem quando deixa de ser viável manter um status quo político, social ou cultural. A Irlanda tem sido fustigada por grandes e pequenas revoluções, mas em todas elas o papel dos intelectuais foi decisivo. Foram eles a fazer soprar o vento de revolução nas suas escolas celtas; foram eles a mobilizar os cidadãos e a morrer nas prisões inglesas. A alma irlandesa foi sempre dedicada principalmente à luta política pela independência, ficando para trás as outras mudanças sociais, nomeadamente a grade revolução identitária e cultural que teve o seu período dourado nos anos 60 e 70, quando se deram os primeiros passos em direção à igualdade de género.

Nas décadas que se seguiram, foi dada voz às mulheres, embora as mudanças políticas e legais apenas viessem a acontecer em meados dos anos noventa, com a legalização da contracepção e do divórcio. É neste contexto que tenciono situar a minha análise de obras de algumas escritoras irlandesas contemporâneas, nomeadamente Deirdre Madden, Mary Rose Callaghan, Mary Dorcey, Emma Donoghue, e Marry Morrissy – uma geração nascida nos anos sessenta.

Analisar os textos, os romances e a poesia dessas escritoras não é olhar só para a magia da palavra e da imagem, mas buscar tópicos, temas e ferramentas transversais para os estudos feministas e filosóficos e ir mais fundo, tentando mapear a voz no feminino. É colar, cortar e recalcar as palavras de Julia Kristeva, Judith Butler, Elizabeth Grosz entre outras. É olhar para a questão da identidade e perceber como esta é múltipla e narrativa. É dar voz à criatividade, à memoria, à sexualidade, ao corpo e à maternidade. É ir à procura de tradições que se alojaram nas margens, longe dos discursos normativos, nas fronteiras e ilhas e, portanto, fora do centro.

O nosso encontro estruturar-se-á em dois momentos:

(1) uma conferência aberta ao público, em que abordaremos os meta e micro temas do feminismo irlandês, ilhéu e europeu;

(2) um workshop sujeito a inscrição prévia, em que iremos ler e trabalhar fragmentos de obras de escritoras acima mencionadas. Faremos uma leitura juntamente com as nossas próprias experiencias no campo de re/construção de identidade. Antes do encontro será fornecido, para fotocopiar, um dossiê com as fotocópias que facilitaram o trabalho.

 

Nota Curricular:

Zuzanna Sanches (PhD) é investigadora integrada no ULICES/CEAUL (Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa) e colaboradora no CETAPS. Também ensina no Departamento de Estudos Ingleses da Universidade de Lisboa. Foi investigadora visitante na Universidade Nacional da Irlanda, em Maynooth, e no University College, em Dublin, onde trabalhou sob a orientação da Professora Margaret Kelleher. Tem publicado artigos sobre escritoras irlandesas contemporâneas nascidas nos anos 1960. Os seus interesses de investigação incluem literatura e cultura britânica, irlandesa e americana, feminismos, psicanálise e estudos de género e identidade, performace e yoga. Integra a equipa do projecto RHOME. Representations of Home integrado no ULICES-CEAUL.

 

Seminário promovido no âmbito da Linha de Investigação Mobilidade e Transferência Culturais em Contextos Insulares.full-logo-cmtic_green-04-04